Programação Orientada a Objetos (POO)

A programação orientada a objetos (POO) é ​​um modelo de programação de software construído em torno de objetos. Por outro lado esse modelo compartimenta os dados em objetos (campos de dados) e descreve o conteúdo e o comportamento dos objetos por meio da declaração de classes (métodos).

Os recursos de POO incluem o seguinte:

  • Encapsulamento: Isso facilita o gerenciamento da estrutura do programa, porque a implementação e o estado de cada objeto estão ocultos atrás de limites bem definidos.
  • Abstração: Habilidade de concentrar nos aspectos essenciais de um contexto qualquer, ignorando características menos importantes ou acidentais. Em modelagem orientada a objetos, uma classe é uma abstração de entidades existentes no domínio do sistema de software.
  • Polimorfismo: Isso significa que entidades abstratas são implementadas de várias maneiras.
  • Herança: refere-se ao arranjo hierárquico dos fragmentos de implementação.

Logo a programação orientada a objetos permite uma programação simplificada. Logo os seus benefícios incluem reutilização, refatoração, extensibilidade, manutenção e eficiência.

Benefícios do POO

Certamente um dos grandes benefícios do POO é o da escalabilidade, com objetos e definições sem limitação finita. Além disso, a separação de dados do método evita um problema comum encontrado em linguagens de software linear mais antigas. Se um bug aparecer em um código linear, ele poderá ser traduzido através de um sistema e criar um monte de erros difíceis de rastrear. Por outro lado, um programa de POO, com sua separação de método e dados, não é suscetível a esses erros proliferados.

POO tem sido o modelo de programação preferido na última década ou mais. Além disso o design modular do POO permite que os programadores construam software em blocos gerenciáveis, e não em grandes quantidades de código sequencial.

9 respostas para “Programação Orientada a Objetos (POO)”

Deixe uma resposta